sábado, 20 de fevereiro de 2021

O Maravilhoso Gravador de Rolo Revox E36 - Valvulado !

Falaaaaaa meus amigos!

Dessa vez chegou até nós uma raridade de dar inveja!! Um Revox E36 valvulado!

Pois é, este aqui que recebemos foi fabricado em 1962, e é o vovô do que viria a ser um modelo mais famoso, o G36 (lançado após o F36).

Recebemos ele com dois desafios: o primeiro deles uma revisão geral (o aparelho ficou mais de 40 anos parado, e quando foi ligado, acabou soltando fumaça) e um upgrade: transformá-lo em 15 IPS de seus originais 7,5 IPS. O segundo desafio, também complicado: a logomarca, originalmente em alumínio pintado, estava faltando. Teríamos de dar um jeito de arrumar essa logo, de um aparelho raro como esse! Essa vai ser difícil...

Primeiro, antes de mais nada, temos de verificar qual a extensão do dano causado pelo equipamento ter sido ligado depois de ficar tanto tempo parado. Fumaça é sempre um péssimo sinal, pois obviamente algo entrou em curto, e dependendo da corrente e do tempo que a mesma esteve presente, podem haver danos severos a componentes.

AVISO A NOSSOS LEITORES: SEMPRE QUE DEIXAR SEU VINTAGE ARMAZENADO POR UM PERÍODO MUITO LONGO, VALE A PENA QUE O MESMO SEJA ENVIADO PARA AVALIAÇÃO ANTES DE LIGÁ-LO. ISSO EVITARÁ POSSÍVEIS DANOS EXTRAS E DOR DE CABEÇA!

Por sorte, neste caso aqui, a fumaça saiu dos capacitores supressores das chaves de folha de acionamento do transporte. Nada que não possa ser reparado. Reparem que ocorreu inclusive um trincado enorme no capacitor...



Além disso, percebemos que alguém já havia efetuado reparos prévios neste aparelho, e o fez de maneira deplorável, substituindo diodos de roda livre por transistores.... apesar de 'funcionar', é uma grande gambiarra, além de que o trabalho de solda e layout dos componentes foi péssimo!



É uma pena ver o tipo de trabalho que muitas vezes é feito nestes aparelhos vintage, que ao invés de serem preservados, acabam sendo praticamente canibalizados. Onde já se viu ter preguiça de comprar diodos e soldar desse jeito, quase provocando vários curtos em locais de alta tensão, usando transistores canibalizados de outros equipamentos? Fizemos uma revisão completa nas chaves, trocamos todos capacitores supressores e instalamos os diodos de roda livre corretos.

Neste ponto, o gravador já funcionava. Por sorte, todas válvulas estavam boas e originais. Fizemos um breve teste apenas para ver se tudo estava funcionando em ordem:


Agora, o próximo passo seria fazer a modificação para 15 IPS, que não é nada fácil neste equipamento. O primeiro desafio é acelerar a rotação do motor de capstan, dobrando sua velocidade. Por se tratar de um motor AC Síncrono, isso é impossível sem alterarmos a frequência da rede da alimentação (ou reenrolar o motor modificando seus polos), o que envolve instalar um pequeno conversor de frequência e amplificador interno. É factível, mas envolve uma modificação severa no gravador, não muito simples de ser desfeita caso o proprietário queira voltar às velocidades originais.

Existe então uma segunda opção, que é usinar uma bucha a ser inserida sobre o eixo do capstan, dobrando seu diâmetro e portanto dobrando a velocidade de rotação da fita. Parece simples, mas esta solução cria um outro problema: o caminho da fita é alterado, e precisa ser modificado para acomodar este eixo mais grosso. Além disso, a bucha precisa ser usinada com precisão absoluta, para que mantenham-se as especificações originais do gravador.

Em ambas opções, a rede de equalização deve ser alterada, algo simples de ser feito.

Para tomarmos a decisão sobre como prosseguir, devemos considerar que temos em estoque um E36 e um G36 para uso de peças, caso necessário. Em segundo lugar, vale a pena ressaltar que este E36 que estamos modificando era originalmente de 50Hz, e é necessário que tenhamos a possibilidade de voltá-lo completamente a originalidade caso necessário.





A alteração através de um inversor de frequência seria apenas eletrônica, mas para uma modificação eficaz, teriam de ser feitas alterações ao chassi do equipamento, para montagem de todos os componentes extras, dissipação de calor, instalação de nova fonte, etc. Seria um retorno a originalidade mais difícil, e por este motivo, decidimos por prosseguir com a segunda opção.

Para a segunda opção, de cara já teríamos um motor rodando 20% mais rápido (ao operá-lo em 60Hz ao invés de 50Hz), o que reduziria o aumento necessário do diâmetro da bucha para o capstan, e ao mesmo tempo permitira que uma menor correção ao caminho da fita fosse feito, e esta poderia ser feita deslocando o motor do capstan para trás em 1mm, ou muito mais facilmente, deslocando o conjunto de cabeças para frente em 1mm através do uso de novos parafusos usinados com um corte de 1mm. O retorno a originalidade poderia ser imediatamente feito retirando-se a bucha do capstan e trocando os parafusos modificados por parafusos originais (que temos a disposição graças a nosso E36 de peças).

Este processo de modificação é um tanto quanto técnico, e, de maneira geral, sempre tento deixar o Blog uma leitura mais leve. Desculpe se exageramos, mas esperamos que nossos leitores tenham compreendido que, muitas vezes, modificações aparentemente simples tornam-se demasiadamente trabalhosas e de difícil análise e implementação. 

Bem tomada a decisão, é hora de tornear a bucha do capstan! Bucha super centrada, torneada na exata dimensão. 



Feito isso, substituímos os parafusos das cabeças, rede de equalização  e alinhamos tudo. O teste de gravação e reprodução em 15 IPS é um sucesso!



Agora vamos ao segundo problema, a falta da logomarca Revox. Se vocês pesquisarem por E36 no google imagens, facilmente perceberão que a logo da Revox usada aqui é bastante particular, e diferente das logos usadas posteriormente pela empresa. Tentamos de todo jeito encontrar uma logo dessas para importação, mas não conseguimos. A opção, foi então fazer uma! Para isso, pedimos a ajuda de nosso grande amigo Lincoln, que possui uma CNC perfeita para o trabalho! Ele muito nos ajudou, projetando e fabricando a logo.




E o resultado final?


Ficou bonita não ficou? Pois é, agora é hora de resolvermos outro problema. A logo original é pintada, da mesma cor de acabamento do painel frontal, um verde claro acinzentado estranho rs... a solução? Mandamos uma amostra da cor para um fabricante de tintas, que rapidamente nos retornou com a lata de tinta na coloração correta!


O próximo passo agora é iniciar a pintura!



Após a secagem, ficou assim:


Se você pesquisou por esta logo no google, verá que as letras da logo original deveriam manter o acabamento em alumínio, enquanto o restante da logo é que é pintado. Para resolver isso, basta lixarmos as letras e borda, e nossa logo estará pronta!


Ficou linda, não ficou??

Agora só falta instalarmos no E36 e conferirmos se a tonalidade bateu mesmo...


Perfeita! Mais um belo clássico que volta a ativa com sucesso, pronto para mais 60 anos de uso!

Em breve, novas restaurações por aqui, siga-nos no Facebook e Instagram e acompanhe nosso trabalho!



Nenhum comentário:

Postar um comentário